Um Manual Completo para todos os tipos de reforma

Todo mundo já conheceu alguém que passou por apuros construindo ou fazendo reforma. Só que grande parte das dores de cabeça advindas de uma obra geralmente poderiam ter sido evitadas com uma coisa só: PLANEJAMENTO.

Se você está querendo transformar parcial ou totalmente o seu imóvel, preparamos aqui um passo-a-passo que serve como um Guia para todos os tipos de reforma, das mais simples às mais hardcore.

 

  1. Porque planejar?
  2. Colocar tudo no papel, antes de mais nada, ajudará você a dimensionar os recursos necessários e o trabalho que a reforma vai dar.

    O planejamento é o que definirá como serão os próximos meses/semanas que virão. Se você não tirar um tempo inicial para se dedicar a ele, são grandes as chances de ocorrerem indecisões e mudanças no meio do projeto. Ter metas determinadas e etapas a serem seguidas vai evitar situações como ter que escolher um revestimento ou modelo de torneira enquanto o prestador espera parado na obra; ou gastar muito com os prestadores e depois não ter verba para a compra dos móveis, por exemplo.

    A falta de planejamento é um dos erros mais comuns que levam as pessoas a gastarem mais do que poderiam e a demorarem mais do que gostariam ao construir ou reformar.

     

  3. Planejamento financeiro
  4. Reformar a casa exige um planejamento financeiro. Na maioria dos casos, o ideal é poupar o equivalente a, pelo menos, metade dos gastos totais previstos (incluindo mão de obra e material). Economizar os recursos com antecedência permite que você possa fazer alguns pagamentos à vista, podendo conseguir bons descontos, tanto no material de construção quanto na mão de obra.

    (Nós temos um post especialmente sobre Como investir bem o dinheiro na sua reforma onde damos dicas super importantes! Clique aqui para saber mais).

     

  5. Pesquise e rascunhe a primeira ideia
  6. Na prática, o primeiro passo para uma boa reforma é amadurecer a ideia do que você quer fazer. Esse é o momento de aproveitar para usar a imaginação e contemplar todas as possibilidades. Reflita com calma sobre o que pretende fazer e então pesquise referências e coloque os objetivos do projeto no papel. Qual a ideia fundamental, o estilo, os objetos… Com que cara que você gostaria de deixar o ambiente?

    Como dica de organização, nós sugerimos que você concentre todas as anotações que dizem respeito à reforma em um caderno só. Centralizar as informações em um só espaço desde o início vai te fazer ganhar tempo. Mais pra frente, quando começarem os orçamentos e as medições, vai haver uma infinidade de números de telefone, valores, etc que precisam estar sempre à mão com você. Faça divisórias e não deixe de anotar nada pra não se perder.

    Hoje em dia é muito simples encontrar inspirações de decoração e arquitetura na internet. Muitos profissionais compartilham fotos de projetos de casas, cozinhas, quartos, etc, tudo de graça! Ver um ambiente montado e pronto vai ajudar você na escolha dos materiais e acabamentos. Além da internet, ir à lojas que dispõe de ambientes decorados para visitação é uma opção quando se está em dúvida nas escolhas estéticas e funcionais.

    Uma das ferramentas muito indicadas nessa busca, e que não pára de crescer, é o Pinterest. Ter uma conta nessa rede social possibilita encontrar uma infinidade de referências de ambientes, combinações deslumbrantes além de ótimas ideias e dicas de DIY (faça você mesmo).

    Para não se afundar em um mar de opções, tenha sempre em foco seus principais objetivos e necessidades. O Pinterest pode ser um grande auxiliador nesse sentido, já que ele possibilita organizar as imagens em pastas e da maneira que você preferir (aproveite para conhecer a nossa página do Pinterest aqui).

     

  7. Verifique os danos estruturais: conheça a sua casa
  8. Antes de iniciar o planejamento das mudanças estéticas, é preciso dar atenção aos problemas mais profundos que podem existir na sua casa/apartamento. É comum existirem vários pontos carentes de reparos em uma residência mas que acabam sendo ignorados no dia-a-dia.

    Anote todas as irregularidades que você encontrar. Se houver qualquer infiltração, rachadura em uma parede, azulejos ocos, piso afundado, esses são problemas que precisam ser priorizados no planejamento. Não cuidar deles é um convite para complicações no meio da reforma. Além disso, tapar o sol com a peneira pode trazer arrependimento no futuro: aproveite esse momento de intervenção para resolver de uma vez essas falhas e irregularidades.

     

  9. Escute quem entende
  10. Se a ideia da reforma é só renovar a pintura ou trocar alguns revestimentos, por exemplo, é possível contratar um profissional apenas para a execução do serviço, não sendo imprescindível sua presença no planejamento. Nessas reformas mais simples, você pode até mesmo se aventurar a fazer sozinho; existem muitos tutoriais disponíveis no Youtube que ensinam passo-a-passo como fazer as mais diversas mudanças e instalações.

    Porém, tome cuidado: se você notou algum dos problemas estruturais citados no tópico anterior, ou se quer verificar a possibilidade de retirar paredes sem danificar a estrutura, a presença de um especialista se torna necessária desde o início como forma de garantir a segurança e a qualidade da obra. Um bom conhecimento da planta do local é essencial para saber o que pode ou não ser feito.

    Uma conversa com um arquiteto ou engenheiro civil determina se a obra é viável para a casa e também indica se vai caber no bolso do proprietário. Para tanto, é necessário mostrar as plantas originais e as fotos dos espaços a serem reformados.

     

  11. Procure o profissional com antecedência
  12. Essa é mais uma dica do que uma etapa; reservamos um tópico só para lembrar disso pois a disponibilidade do profissional é algo que precisa ser levado em consideração na programação da obra mais adiante. Se você quer ter uma piscina linda no verão, por exemplo, o ideal é começar a planejá-la em meados de junho.

    Se for contratar um arquiteto ou engenheiro, ele terá participação ativa desde o início. O planejamento e o projeto exigem um tempo de desenvolvimento e devem entrar no cronograma detalhado (mais adiante) da obra.

    Contratar o faz-tudo geralmente é um tiro que sai pela culatra; nas reformas vale a máxima: o barato sai caro. Evite ter que lidar com retrabalhos e desperdícios: contrate uma pessoa habilitada para a função. Um profissional especializado consegue antecipar os transtornos e evitar erros e atrasos.

     

  13. Reaproveite: observe o estado de conservação do imóvel e dos móveis
  14. Pense sempre em reaproveitar o que for possível do imóvel antigo. Dependendo do local, isso pode trazer um charme vintage e também uma bem-vinda economia no orçamento.

    Aqui a arquiteta Kita Flórido resgatou e reformou uma porta que estava abandonada em uma antiga edícula durante a reforma da casa de Paula Gomes | Fonte: Casa e Jardim

    Verifique se realmente há necessidade de trocar os móveis. Antes de incluir um novo móvel ou eletrodoméstico no orçamento, reflita: é possível utilizá-lo ao menos pelos próximos 3 anos? Caso a resposta seja sim, considere descartá-lo da lista de móveis que requerem troca. Se, por exemplo, o sofá encontra-se desgastado, a melhor opção pode ser optar por um serviço de restauração.

    Nessa etapa, a visão de um especialista também pode trazer mais economias para o bolso. Arquitetos e decoradores podem ter sacadas espertas e baratas para mudar a cara do ambiente sem gastar muito e reformar aquilo que realmente precisa. Apresente suas ideias e tenha mente aberta para sugestões.

     

  15. Faça uma lista detalhada das mudanças
  16. Aconselhamos você a organizar essa lista por cômodos e de acordo com as prioridades; reparos mais urgentes ficam na frente, claro. Comece a lista com as coisas que você precisa fazer (danos estruturais que você verificou na Etapa 3), como trocar o piso que está solto ou reformar um móvel que está com cupim, e só depois coloque as que você deseja fazer.

    A lista deve conter:

        • Que cômodos serão reformados
        • Quais modificações serão feitas
        • Quais os materiais e serviços necessários para cada modificação

     

  17. Meça todos os espaços
  18. Se a reforma for simples e você não possuir um projeto formal, use uma trena para medir com o máximo de precisão as dimensões do espaço. Anote tudo, de uma maneira compreensível para outras pessoas e também para você mesmo no futuro. A organização ao anotar vai facilitar futuras consultas e evitar que você seja obrigado a refazer medidas e cálculos.

    A partir de agora, tenha as medidas exatas sempre à mão. Na próxima etapa, elas serão a base do cálculo das quantidades ideais de materiais. Nunca vá à uma loja fazer orçamento sem levar as medidas exatas do espaço que será reformado. Confiar somente na percepção visual ou querer trazer as medidas de cabeça é um erro que pode custar caro.

    Tenha em mente que cada parte da reforma demanda cálculos diferentes. Em relação aos móveis é preciso saber o tamanho dos mesmos e também a distância necessária entre eles para conseguir circular. Se a compra for de pastilhas, tenha anotadas as medidas exatas da área que você pretende decorar.

    (Acesse nosso post Como calcular a área a revestir para saber mais. Clique aqui).

     

  19. Faça orçamentos
  20. A escolha dos materiais influencia todo o projeto para muito além da estética; a sua qualidade e durabilidade dependem deles. Agora é a hora da pesquisa de valores e qualificação de materiais. Usando sua lista detalhada de modificações e as medidas tiradas na etapa anterior.

    Se você tiver contratado um arquiteto, ele será o responsável por apresentar um projeto completo prevendo toda a sequência de execução da obra e contemplando todos os serviços a serem realizados, as opções de materiais e a previsão dos custos.

    Tanto para quem reforma com auxílio de um profissional tanto para quem faz por conta própria: para que você tenha uma boa economia em comprar o material, é necessário pesquisar bastante, pois as lojas apresentam grandes diferenças nos preços, formas de pagamento e nos juros.

     

  21. Faça uma planilha
  22. Após toda a pesquisa de preços, faça uma planilha com o orçamento final contendo todos os valores dos materiais e serviços. Sugerimos que você continue separando por cômodo. Essa disposição dos valores vai ajudar na visualização dos gastos. Tendo uma noção do valor total e dos valores detalhados, você poderá negociar valores, substituir itens ou até eliminar excessos.

    Orçar a obra dá trabalho, mas traz muitas economias e, para te ajudar a organizar todas essas informações, baixe grátis a planilha de orçamento que preparamos para você.

    PLANILHA DE ORÇAMENTO DA REFORMA

    Um só lugar para você organizar todos os orçamentos da sua reforma.




     

  23. Defina QUANDO
  24. Quando souber exatamente o que você quer fazer, daí você poderá decidir a melhor época do ano para isso. Se a obra é realizada em área externa deve-se, obviamente, evitar os meses de chuva, como na primavera e no verão. Deve se levar em conta que independente da reforma, o período chuvoso pode atrasar a sua obra, gerar danos e até encarecer o valor total. A umidade também influencia no tempo que os materiais necessitam para secar. Tudo isso deve ser levado em conta para determinar o período do ano mais adequado.

    Dica: Evite iniciar uma reforma no final do ano. Essa não é a melhor época para iniciar uma reforma. Muitas lojas param de atender já em meados de dezembro.

     

  25. Consiga as autorizações necessárias
  26. Nem todas as reformas precisam da emissão do Alvará de Construção pela prefeitura. A aprovação é exigida para obras novas, reformas de calçada ou com aumento de área da residência. Ela é dispensável no caso de pequenas reformas que não alteram a característica do imóvel, como pinturas e consertos. Mesmo assim, toda e qualquer reforma deve estar de acordo com as exigências técnicas e normas de segurança local. Cada cidade estabelece suas regras para construções e reformas, portanto, se a sua obra exige alvará, contrate um profissional que entenda das normas locais.

    Começar a obra sem o alvará pode ser arriscado. O proprietário fica sujeito a tê-la embargada, ou seja, impedida de continuar até apresentar um engenheiro civil ou arquiteto responsável.

    No caso de prédios e condomínios, qualquer alteração na moradia deve ser comunicada e aprovada pelo síndico do prédio. A norma NBR 16.280:2014 Reforma em Edificações prevê a entrega para o síndico de um plano de reforma e uma ART (Anotação de Responsabilidade Técnica) ou RRT (Registro de Responsabilidade Técnica), devidamente registrada no CREA ou no CAU e assinados, respectivamente, por um engenheiro ou arquiteto que deverá acompanhar a obra.

    O plano arquitetônico deve ser bem completo prevendo todas as mudanças planejadas na planta, os materiais previstos e o tempo estimado da obra. Além disso, a obra deve respeitar as regras para horários, limpeza das áreas comuns e despejo de entulho.

     

  27. O que não pode faltar em um bom Cronograma
  28. A reforma começa no momento em que o projeto está sendo planejado. De acordo com alguns profissionais do ramo, dependendo da reforma, é preciso reservar no mínimo três meses entre o dia em que se decide fazer a reforma e o início da obra.

    Dica de ouro: tenha um caderno para centralizar todas as anotações envolvendo a reforma

    Um bom cronograma de reforma serve para controlar o processo e garantir que a obra aconteça dentro das normas e dos prazos. É esperado que um projeto feito por um especialista da construção cubra todas as etapas da obra para que os profissionais envolvidos possam executar suas tarefas.

    É fundamental atrelar o orçamento ao cronograma da obra. Como nem tudo é oferecido no mercado a pronta entrega, você precisa alinhar o prazo do fornecimento dos produtos com os serviços de instalação dos mesmos. Se houverem imprevistos, janelas de tempo muito apertadas entre um e outro podem parar a obra.

     

  29. Um (in)cômodo de cada vez 🙂
  30. Toda reforma já traz desconforto, dor-de-cabeça de obra e sujeira por toda a casa. Uma alternativa interessante se você vai continuar morando em casa durante a reforma, é reformar um cômodo de cada vez. Concentrar os trabalhos em um ponto da casa, gera bem menos transtorno.

    Na hora de fazer o cronograma, analise cada ambiente que deseja mudar individualmente. Pense em alternativas para os moradores que dependem desses cômodos, qual cômodo da casa eles poderiam usar temporariamente? Planejando isso com antecedência, você evitará transtornos como ter que pedir ajuda aos vizinhos para tarefas de rotina ou precisar mudar seus planos diários.

    A cozinha é o local da casa que provém uma das necessidades básicas dos seres humanos. Talvez seja a área comum da casa mais utilizada em muitas residências. Quando ela fica interditada, é possível que seja necessário comer fora por vários dias. É importante evitar a compra de alimentos perecíveis no período. Para a reforma de um quarto, é preciso alocar seus usuários em outro cômodo. As camas existentes podem mudar de lugar ou é preciso comprar algum móvel auxiliar? Como são vários os detalhes envolvidos, é melhor pensar neles desde o começo.

     

  31. Fazendo o Cronograma
  32. O cronograma deve respeitar a seguinte lógica: quanto maior a sujeira gerada pelo serviço, mais no início ele deve ser feito. Inicialmente vem a demolição e os reparos de infraestrutura como alvenaria e hidráulica. Siga com as alterações elétricas, projeto de iluminação, forro de gesso, regularização ou assentamento do piso e marmoraria, instalação das luminárias, masseamento e primeira demão de pintura, marcenaria, finalização dos acabamentos e encerre pelo retoque de pintura e instalação de adesivos e papel de parede.

    Muitas pessoas pecam nessa parte, começam uma reforma e no meio do caminho precisam dar um passo para trás, porque descobrem uma fiação corrompida ou problemas com tubulação.

    Uma dica na hora de fazer o cronograma é evitar colocar vários fornecedores trabalhando juntos pois isso dificultará o controle da qualidade dos trabalhos e são grandes as chances de um acabar prejudicando o trabalho do outro. Outra coisa a ser lembrada, para evitar contratempos, observe como adequar seu horário com o da equipe de trabalho.

    Por último, determine o cronograma detalhado em conjunto com o mestre de obras. É importante registrar tudo em contrato para se resguardar no caso de atrasos ou paralisações. Esse mesmo procedimento serve para os prestadores de serviço: elabore uma lista especificando tudo o que o fornecedor vai fazer e peça para o contratado assinar.

    Guarde os contratos, todas as notas fiscais de compras, recibos e orçamentos para evitar dores de cabeça. Uma dica aqui é digitalizar esses documentos conforme eles forem surgindo, e então mantê-los guardados todos no mesmo local.

     

  33. Converse com os vizinhos
  34. Um bate-papo com os vizinhos pode prevenir alguns problemas. Antes de iniciar a obra ou reforma, converse explicando todos os detalhes do projeto. Uma denúncia na prefeitura pode até embargar a obra, portanto, tente manter um clima amistoso.

    Lembre-se que a maioria dos condomínios residenciais, sejam eles verticais ou horizontais, limitam a emissão de barulho das 7:00 às 18:00 nos dias úteis. Em obras em áreas comuns, tome cuidado redobrado com limpeza e isolamento do local.

     

  35. Mãos à obra!
  36. Chegou a hora de botar a mão na massa! Comece comprando o material básico para a reforma e estocando em local seguro da sua casa. É importante deixar previsto um espaço organizado para guardar o material afim de também evitar o desperdício.

     

     

    Guarde os móveis com segurança. O ideal é embalar tudo com plástico-bolha, lona e até mesmo com lençóis. Sempre que possível, armazenar tudo em um único cômodo. Separe os itens pessoais e algumas mudas de roupa para ir usando, enquanto a maior parte, deixe guardado. Se possível, guarde os utensílios domésticos também em um só lugar, de preferência onde não precisem ser movidos com a finalidade de facilitar a rotina.

    Exija limpeza no decorrer do trabalho: obra limpa é obra segura. Acompanhe de perto a execução de cada etapa para garantir que, ao final, tudo esteja de acordo com o esperado.

     

  37. Final feliz
  38. Quase toda obra acaba gerando resíduos e lixos que devem ser descartados corretamente. Alugar uma caçamba é algo obrigatório: o descarte inadequado dos resíduos pode gerar multas ao proprietário do imóvel. Para além disso, tente fazer uma reforma consciente e sempre separe o material reciclável dos entulhos que realmente se destinam aos aterros.

    Uma etapa essencial para deixar a sua casa renovada pronta para receber os moradores é a limpeza pós-obra. Tirar massa-corrida, rejuntes, respingos de tinta, adesivos de louças e cubas, limpar e aspirar o quadro de luz e os trilhos de portas e janelas fazem parte de uma limpeza específica, diferente de uma faxina de manutenção.

    Ao fim de toda reforma, alguns profissionais aconselham solicitar uma carta de garantia com base no checklist dos serviços que foram contratados.

     

  39. Tenha paciência
  40. Mesmo com o cronograma, é esperado que o término da obra ultrapasse a data calculada. Há diversas situações inesperadas que podem ocorrer: a indisponibilidade de algum produto, falta de mão de obra, atrasos nos prazos de entrega de fornecedores ou mesmo algum problema no imóvel que se manifesta após o início da obra. Ter paciência é fundamental para tomar as decisões com calma e conscientemente.

    E não adianta ter pressa para acabar logo. Um trabalho com todos os detalhes bem realizados resultará em um projeto fantástico e a sensação de casa nova em folha vai fazer tudo ter valido a pena!  😀


1 comentário

Jeferson Milani · 27 de maio de 2018 às 12:07

Gostei muito das orientações! Foram levantados vários pontos que eu nem imaginava que deveriam ser levados em consideração num projeto de reforma. 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *